Arquivo da categoria: Científico

Epidemia pelo vírus zika: alerta da APM à comunidade médica

A Associação Paulista de Medicina alerta a comunidade médica sobre a gravidade da infecção pelo vírus zika. A transmissão ocorre pelo vetor Aedes aegypti, mosquito que já se encontra presente em todo estado de São Paulo sendo responsável pelas recentes epidemias de dengue e chikungunya.

O quadro clínico da infecção pelo zika vírus é relativamente inespecífica, com certa semelhança com os sintomas e os sinais provocados pela infecção pelo vírus da dengue e da chikungunya (ver quadro abaixo). A transmissão perinatal está comprovada com consequências trágicas como as descritas pelos colegas de Pernambuco com os casos de microcefalia. Outras duas formas de transmissão podem ser possíveis: pelo sêmen ou por transfusão sanguínea, como alguns casos descritos no Taiti. Nesse país, descreveu-se associação tardia com casos da síndrome de Guillan-Barré.

Importante fato é que o primeiro surto do zika vírus foi em Camaçari, Bahia (amostras em março/14), com genótipo semelhante ao dos vírus isolados no Taiti, onde se iniciou epidemia em outubro de 2013. Essa informação é de extrema importância, porque o Brasil é o primeiro país populoso com grande extensão territorial atingido pelo zika vírus. Portanto, caberá aos médicos, cientistas e sanitaristas brasileiros, esforço desdobrado tanto na pesquisa como na ação preventiva dessa epidemia do zika vírus.

A redução expressiva de criadouros do Aedes aegypti é a ação mais importante a ser realizada e a comunidade médica deverá atuar de forma coordenada e ativa junto aos responsáveis por controle de vetores nas secretarias municipais e nas divisões da secretaria de estado da Saúde.

Ao mesmo tempo, recomenda-se que as orientações já existentes do Ministério da Saúde e da Secretaria de Estado da Saúde sejam divulgadas. No decorrer da semana iniciada em 07 de dezembro, estaremos enviando orientações específicas das sociedades paulistas de pediatria, infectologia, neurologia,  ginecologia e obstetrícia e patologia clínica sobre o tema. Artigos específicos sobre o zika poderão ser requisitados, assim como dúvidas, correções e sugestões no  e-mail cientifico@apm.org.br.

Quadro: Comparação de sintomas das arboviroses transmitidas pelo Aedes aegypti

Sintoma/sinal dengue chikungunya zika
febre ++++ +++ +++
mialgia/artralgia +++ ++++ ++
Edema extremidades 0 0 ++
“rash” maculopapular ++ ++ +++
dor retroorbital ++ + ++
conjuntivite 0 + +++
linfadenopatias ++ ++ +
hepatomegalia 0 +++ 0
leucopenia/trombocitopenia +++ +++ 0
hemorragia + 0 0

 

 

Responsabilidade: Paulo Andrade Lotufo, CRM 39863, Diretor Científico.

Anúncios

Curso do CQH – Implantando o Modelo de Excelência de Gestão no Setor Saúde

Dias 14 e 15 de maio de 2015 será realizado na Associação Paulista de Medicina em São Paulo, o Curso do CQH – Implantando o Modelo de Excelência de Gestão no Setor Saúde das 08h30 às 17h30.

Nome: Curso do CQH – Implantando o Modelo de Excelência de Gestão no Setor Saúde

Data: 14 e 15 de maio de 2015

Horário: 08h30 às 17h30

Local: APM – Associação Paulista de Medicina

Endereço: Avenida Brigadeiro Luís Antônio, 278 – São Paulo SP.

Inscrição: http://www.apm.org.br/eventos/cqh

Ensino médico no Brasil: mais de 100 anos de atraso

Ensino médico no Brasil: mais de 100 anos de atraso

Na trajetória mundial, há exemplos bem interessantes de países que resolveram tratar os problemas de saúde com o amargo remédio da quantidade e só tiveram problemas, além de perder tempo. Em meados de 1900, os Estados Unidos, então com 87 milhões de habitantes, e o Canadá, ainda sob domínio britânico, com população de 6 milhões, tinham 160 faculdades de medicina com ensino precário, mal equipadas e corpo docente de baixa qualidade.

Quando perceberam que semeavam o caos ao formar médicos aos montes, mas sem conhecimento suficiente, contrataram Abraham Flexner (1866-1959) para elaborar um minucioso estudo do problema e propostas de solução. Foi assim que, após quatro anos, surgia o histórico Relatório Flexner, base da reforma que consumiu mais 25 anos para colocar a casa em ordem, com o fechamento de cerca de 100 desses cursos e o estabelecimento de parâmetros de qualidade para o ensino da medicina.

No Brasil, faz algumas décadas, passamos por crise semelhante. Seguidos governos, com diversas ideologias, apostam em quantidade, em vez de priorizar a qualidade e o financiamento adequado para atender às demandas de saúde da população.

Nos últimos 44 meses (até agosto deste ano) alcançou-se um recorde jamais visto na história deste país. Neste período foi autorizado o funcionamento de 62 novas faculdades médicas. O Brasil, do ano 2000 até agora, abriu 136 cursos de medicina. Há algo claramente errado nesse processo: hoje, temos 242 escolas médicas, mais da metade nasceram nos últimos quinze anos; as demais, nos cinco séculos anteriores.

O equívoco não atinge somente a graduação. O Governo Federal trabalha em passo acelerado para ampliar o número de vagas de Residência Médica em todo o país.

A residência médica é uma modalidade de ensino de pós-graduação destinada a médicos, sob a forma de curso prático-teórico de especialização, com direito a bolsa de estudos. Funcionando em instituições de saúde, como hospitais-escola, os pós-graduandos realizam atividades profissionais, sob a orientação de médicos preceptores especialistas.

Na carona do programa “Mais Médicos”, já foi anunciada a criação de 2.822 vagas, sendo, de um ano para cá, 1.609 no Estado de São Paulo.

A necessidade de haver vagas de Residência Médica para todos os graduados em medicina é reivindicação antiga das entidades médicas. Entretanto, deve se dar como parte de uma intervenção organizada, com estrutura adequada à boa formação. A proliferação de vagas de forma anárquica e sem critérios preocupa; há boa probabilidade de riscos de danos à saúde e à vida dos usuários dos serviços brasileiros de atenção à saúde, uma vez que tal açodamento pode significar busca populista de mão de obra barata aos cidadãos.

A Sociedade de Pediatria de São Paulo (SPSP) já está trabalhando para criar parâmetros mínimos de qualidade a serem seguidos em todos os centros de treinamento para que a especialização em Pediatria seja a mais próxima da excelência. Os programas de Residência Médica devem buscar o aperfeiçoamento progressivo do padrão profissional e científico de médicos, bem como da assistência ao paciente. A base começa com infraestrutura adequada e com preceptores (médicos responsáveis por conduzir, orientar e supervisionar a formação dos médicos residentes em suas especialidades) competentes e habilitados, critérios que o inchaço abrupto não possibilita.

No Brasil a conclusão de um Programa de Residência Médica confere ao médico o título de especialista na área cursada, e no sentido de consolidar os conhecimentos adquiridos e dar credibilidade junto a seus pares, ele realiza as provas elaboradas pela especialidade afim, que, no caso da Pediatria, é a Sociedade Brasileira de Pediatria.

O Título de Especialista em Pediatria, obtido por meio da Sociedade Brasileira de Pediatria, confere ao seu detentor credibilidade para sua atuação profissional, tornando o paciente menos vulnerável.

É imperioso que haja efetividade no ensino. Por isso, nossa vigilância neste momento é para que haja preceptores qualificados para orientar o treinamento. Só dessa forma formaremos profissionais de qualidade para assistir à criança e ao adolescente, em vez de utilizar a Residência somente como mão-de-obra barata. Os residentes devem ser sujeitos de treinamento e não objetos de trabalho pouco qualificados.

A SPSP considera imperioso participar ativamente do processo de criação das vagas, inclusive oferecendo parâmetros e sugestões à Comissão Nacional de Residência Médica do Ministério da Educação. Afinal é sua missão zelar pela qualidade dos futuros pediatras e pela assistência competente às crianças e adolescentes.

Inclusive temos promovido qualificadas discussões e elaborado projetos de treinamento de preceptores para que eles, por sua vez, possam adequadamente treinar seus residentes.

A população brasileira de crianças e adolescentes, bem como os jovens médicos que decidem tornarem-se pediatras, merecem todo esse respeito de uma sociedade científica e ética.

Drs. Mário Roberto Hirschheimer, Clóvis Francisco Constantino e Ana Cristina Zollner, respecticamente presidente, vice-presidente e , primeira secretária    da Sociedade de Pediatria de São Paulo

Programação Científica

Nome: Reunião Cientifica com Webtransmissão de Infectologia

Tema: Doenças Parasitárias Em Pacientes Imunodeprimidos

Data: 18 de Setembro de 2014

Horário: 20h00 – 22h00

Local: APM

Endereço: Av. Brigadeiro Luis Antonio, 278 – Bela Vista, São Paulo – SP

Inscrições e programação completa: www.apm.org.br/eventos/infectologia

 

Nome: Reunião Cientifica com Webtransmissão

Tema:  Acupuntura E Imunologia

Data: 23 de Setembro de 2014

Horário: 20h00 – 22h00

Local: APM

Endereço: Av. Brigadeiro Luis Antonio, 278 – Bela Vista, São Paulo – SP

Inscrições e programação completa: www.apm.org.br/acupuntura

 

Nome: Simpósio I

Tema:  A Dor No Idoso: Envelhecimento E Qualidade De Vida

Data: 27 de Setembro de 2014

Horário: 8h30 – 12h30

Local: APM

Endereço: Av. Brigadeiro Luis Antonio, 278 – Bela Vista, São Paulo – SP

Inscrições e programação completa: www.apm.org.br/eventos/dor

 

Nome: Reunião Cientifica com Webtransmissão de Adolescência

Tema:  Tratamentos Complementares Para Os Transtornos De Aprendizado

Data: 29 de Setembro de 2014

Horário: 20h30

Local: APM

Endereço: Av. Brigadeiro Luis Antonio, 278 – Bela Vista, São Paulo – SP

Inscrições e programação completa: www.apm.org.br/eventos/tdah

 

Nome: Curso Continuado Dos Residentes

Tema:  Esvaziamento Cervical De Resgate: Como E Quando?

Data: 01 de Outubro de 2014

Horário: 20h00 – 21h00

Local: APM

Endereço: Av. Brigadeiro Luis Antonio, 278 – Bela Vista, São Paulo – SP

 

Nome: Curso de Laringe

Tema: Biologia Molecular E Papel Dos Marcadores Na Decisão Terapêutica E Prognóstico

Data: 01 de Outubro de 2014

Horário: 21h00 – 22h00

Local: APM

Endereço: Av. Brigadeiro Luis Antonio, 278 – Bela Vista, São Paulo – SP

 

Nome: Reunião Científica

Tema:  Limites Do Tratamento Conservador – Margem, Nipple-Sparing E Iort

Data: 09 de Outubro de 2014

Horário: 20h00 – 22h00

Local: APM

Endereço: Av. Brigadeiro Luis Antonio, 278 – Bela Vista, São Paulo – SP

Inscrições e programação completa: www.apm.org.br/eventos/mastologia

 

Nome: Reunião Cientifica com web transmissão de Coloproctologia

Tema:  Carcinoma colorretal avançado – algoritimos de tratamento

Data: 13 de Outubro de 2014

Horário: 19h30 – 21h30

Local: APM

Endereço: Av. Brigadeiro Luis Antonio, 278 – Bela Vista, São Paulo – SP

Inscrições e programação completa: www.apm.org.br/eventos/coloproctologia

 

Nome: Discussões de Casos com web transmissão

Tema:  Mulher Com Inchaço Nas Pernas Há 20 Dias

Data: 14 de Outubro de 2014

Horário: 19h30

Local: APM

Endereço: Av. Brigadeiro Luis Antonio, 278 – Bela Vista, São Paulo – SP

Inscrições e programação completa: www.apm.org.br/eventos/medicojovem

 

Nome: Reunião Cientifica com Webtransmissão de Acupuntura

Tema:  Auriculoacupuntura

Data: 21 de Outubro de 2014

Horário: 20h00 – 22h00

Local: APM

Endereço: Av. Brigadeiro Luis Antonio, 278 – Bela Vista, São Paulo – SP

Inscrições e programação completa: www.apm.org.br/eventos/acupuntura

 

Nome: Reunião Cientifica com web transmissão de Coloproctologia

Tema:  Por Que Discriminar O Obeso Em Seu Tratamento Farmacológico

Data: 23 de Outubro de 2014

Horário: 20h30

Local: APM

Endereço: Av. Brigadeiro Luis Antonio, 278 – Bela Vista, São Paulo – SP

Inscrições e programação completa: www.apm.org.br/eventos/nutrologia

 

Nome: Reunião Cientifica com web transmissão

Tema: Dependências E Aprendizagem

Data: 27 de Outubro de 2014

Horário: 20h30

Local: APM

Endereço: Av. Brigadeiro Luis Antonio, 278 – Bela Vista, São Paulo – SP

Inscrições e programação completa: www.apm.org.br/eventos/tdah

 

Nome: Reunião Científica Com Webtransmissão De Robótica

Tema: Cirurgia Cardio-Torácica

Data: 29 de Outubro de 2014

Horário: 20h00 – 22h00

Local: APM

Endereço: Av. Brigadeiro Luis Antonio, 278 – Bela Vista, São Paulo – SP

Inscrições e programação completa: www.apm.org.br/eventos/robotica

 

Nome: Reunião Científica Com Webtransmissão

Tema: Sistema Yamamura De Acupuntura

Data: 04 de Novembro de 2014

Horário: 20h00 – 22h00

Local: APM

Endereço: Av. Brigadeiro Luis Antonio, 278 – Bela Vista, São Paulo – SP

Inscrições e programação completa: www.apm.org.br/eventos/acupuntura

 

Nome: Curso Continuado Dos Residentes

Tema: Cirurgia Para Tratamento dos Tumores de Orofaringe

Data: 05 de Novembro de 2014

Horário: 20h00 – 21h00

Local: APM

Endereço: Av. Brigadeiro Luis Antonio, 278 – Bela Vista, São Paulo – SP

 

Nome: Curso de Laringe

Tema: Prevenção E Tratamento De Um Velho Problema – Fístula faringo cutânea

Data: 05 de Novembro de 2014

Horário: 21h00 – 22h00

Local: APM

Endereço: Av. Brigadeiro Luis Antonio, 278 – Bela Vista, São Paulo – SP

 

Nome: Discussões de Casos com web transmissão

Tema: Senhora De 71 Anos Com Dispneia Há 3 Meses

Data: 11 de Novembro de 2014

Horário: 19h30

Local: APM

Endereço: Av. Brigadeiro Luis Antonio, 278 – Bela Vista, São Paulo – SP

Inscrições e programação completa: www.apm.org.br/eventos/medicojovem

 

Nome: Reunião Científica Com Webtransmissão De Robótica

Tema: Cirurgia De Cabeça E Pescoço

Data: 26 de Novembro de 2014

Horário: 20h00 – 22h00

Local: APM

Endereço: Av. Brigadeiro Luis Antonio, 278 – Bela Vista, São Paulo – SP

Inscrições e programação completa: www.apm.org.br/eventos/robotica

Ampliação da Unifesp – Eu Apoio

Ampliação da UNIFESP

2007/2008 – REUNI

• 1 curso de graduação

• 50 alunos/ano

• 6 docentes, 2 técnicos

2014

• 7 cursos de graduação

• 300 alunos/ano – 100% SISU

• 92 docentes, 43 técnicos

• 3 cursos de pós-graduação strictu sensu.

 

Sete Cursos de Graduação

• 1º Ciclo

• Bacharelado em Ciência e Tecnologia

• 2º Ciclo

• Biotecnologia

• Ciência da Computação

• Matemática Computacional

• Engenharia Biomédica

• Engenharia de Computação

• Engenharia de Materiais

 

Dois novos cursos já aprovados para o Instituto

• Engenharia de energia

• Engenharia de Controle e Automação

Aguardam concessão de docentes e técnicos pelo MEC:

Quatro cursos de pós-graduação

• Mestrado e Doutorado em Biotecnologia

• Mestrado e Doutorado em Ciência e Engenharia de Materiais

• Mestrado em Ciência da Computação

• Mestrado Profissional em Matemática (PROFMAT)

 

Pesquisa Científica e Tecnológica de alta qualidade

• 100 % de professores doutores

• R$ 8 milhões de recursos da FINEP para projetos de pesquisa e desenvolvimento.

• R$ 5 milhões de recursos para projetos de pesquisa da FAPESP (segunda instituição da cidade com maior número de projetos em andamento).

 

 

 

 

Extensão Universitária – Ações Sociais

• Núcleo Educacional de Tecnologia Social e Economia Solidária

• Programa de Economia da Inovação

• Programa de Ensino de Software Livre

• Feira de Ciências

 

A UNIFESP já é a maior universidade pública de São José dos Campos, mas a sua expansão é estratégica para a região, para o país e uma demanda da população.

 

 

Metas do Plano Decenal da Unifesp São José dos Campos – Em 2020 o campus deve ter:

• 5.000 estudantes de graduação

• 1.500 estudantes de pós-graduação

• 500 docentes

• 300 técnicos

• 12 cursos de graduação

 

Novo campus – Parque Tecnológico

• Área total (doada pela prefeitura): 300 mil m2

• Área construída: 23 mil m2

• 20 salas de aula

• 15 laboratórios

• Biblioteca com 1.500 m2

• Restaurante Universitário, Quadra Poliesportiva, Núcleo de Apoio ao Estudante

  • Investimento de 65 milhões na obra e 5 milhões em equipamentos

 

 

Consolidação 2014/2015

Autorização para contratação de

• 60 docentes

• 40 técnicos administrativos

 

Reitora da UNIFESP – Prof. Doutora Soraya Soubhi Smaili

Diretor do Campus de São José – Prof. Luís Leduíno

 

 

 

 

Déficit de atenção na infância: Sociedade de Pediatria alerta para uso abusivo de medicação

Déficit de atenção na infância: Sociedade de Pediatria alerta para uso abusivo de medicação

Um mundo interativo, conectado 24 horas por dia, e crianças com acesso a um mundo de informações. Este é o cenário no qual, que cada vez, as crianças têm dificuldade em sentar em uma sala de aula e assistir à uma aula. Seja pela rotina geralmente extensa, seja pela falta de controle de pais e professores, o diagnóstico de hiperatividade e déficit de atenção é cada vez mais comum.
O transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) realmente existe e pode acometer não apenas crianças, mas também adolescentes e adultos, com sintomas como agitação, dificuldade de atenção e impulsividade excessivas. Mas como diferenciar o transtorno da agitação normal da idade e ambiente em que a criança vive?
“Na prática diária, percebemos que há muita desinformação acerca do TDAH, facilitando suspeitas e até mesmo diagnósticos equivocados, que incidem sobre crianças que são apenas desatentas”, relata dr. Fausto Flor Carvalho, presidente do departamento de saúde escolar da Sociedade de Pediatria de São Paulo (SPSP).
Pais e professores de olho
O papel da escola na identificação do problema é bastante questionado e requer cuidados. Antes de concluir que se trata de TDAH e encaminhar o aluno a psicólogo ou neurologista, a escola pode chamar os pais e conversar sobre a possibilidade de se tratar de um transtorno de aprendizado ou ajustar determinados comportamentos que podem ocorrer no desenvolvimento da criança. Mas o diagnóstico e, se necessário, o encaminhamento a um especialista, só devem ser realizados pelo pediatra, explica o dr. Marun David Cury, membro da Diretoria de Defesa Profissional da SPSP.
“É da abrangência do pediatra confirmar ou não uma possível dificuldade de aprendizagem, déficit ou outro distúrbio, e isso será feito a partir da análise de todo o histórico do pequeno paciente, desde o pré-natal.”
Em muitos casos, revela o especialista, pode de tratar apenas de um problema de visão ou de audição, que dificultam a compreensão e acompanhamento adequado da aula.
Por isso, explica o dr. Saul Cypel, presidente do Departamento de Neurologia da SPSP, é importante que se avalie a criança como um todo, inclusive como têm sido estabelecidas as suas relações sociais, principalmente dentro do ambiente familiar.
“Muitas das alterações de comportamento têm origem na inadequação de relacionamento dos pais com os filhos, por exemplo, a falta de incentivo em lidar com regras e limites, ou o excesso de cuidados familiares ou outras pessoas que participem da casa, que não favorece a força de agir por conta própria, não promovendo a sua autonomia”, explica.

Tratamento
A aliança entre os pais, a escola e o pediatra é o primeiro passo para ajudar uma criança com problemas de comportamento ou dificuldade de aprendizado. Há casos em que a psicoterapia, ou terapia familiar, podem ser indicadas.
O medicamento poderá entrar em cena complementando as opções anteriores. Nestes casos específicos, há medicamentos úteis, mas que devem ser usados criteriosamente, e sob rigorosa prescrição médica.
“Há trabalhos em que o uso indiscriminado ou abusivo de medicação na infância pode levar resultar em adolescentes mais suscetíveis a quadros depressivos”, acrescenta dr. Fausto.
O especialista lembra, ainda, que todo medicamento tem contraindicações e efeitos colaterais. Mesmo quando indicados, podem trazer reações indesejadas, que devem ser monitoradas pelo pediatra ou, se for o caso, por um neurologista ou psiquiatra.