Arquivo mensal: março 2013

Polêmica: Médicos defendem abortos até a 12ª semana de gestação

A proposta de dar à mulher a opção de interromper a gravidez até a 12ª semana, ampliando os casos previstos de aborto legal, ganhou o apoio de conselhos de medicina.

A posição é inédita e respalda o anteprojeto da reforma do Código Penal entregue ao Senado no ano passado, de acordo com o CFM (Conselho Federal de Medicina).

O entendimento foi aprovado pela maioria dos conselheiros federais de medicina e dos presidentes dos 27 CRMs (Conselhos Regionais de Medicina) reunidos em Belém (PA) no início do mês. Antes disso, o tema foi debatido internamente por dois anos.

“Defendemos o caminho da autonomia da mulher. Precisávamos dizer ao Senado a nossa posição”, diz Roberto D’Ávila, presidente do CFM.

Leia mais na Folha de São Paulo

Doutor: Você está cansado de pagar imposto e ter dúvidas sobre problemas fiscais e trabalhistas?

Doutor: Você está cansado de pagar imposto e ter dúvidas sobre problemas fiscais e trabalhistas?

Então marque na sua agenda esta data: 10 de abril de 2013 – 19h

•          Pessoa Física ou Jurídica – Qual a melhor opção?

•          Dicas e orientações para sossegar o Leão – Imposto de Renda da Pessoa Física.

•          Ganhos de Capital com a compra e venda de bens – Dicas e orientações.

•          Funcionários ou Terceirizados – Quais as relações existentes.

E se você tiver uma dúvida pessoal, nossos especialistas atenderão pessoalmente no dia 11 de abril, das 10h às 12h (serviço gratuito pago pela APM).

Não esqueça, reserve essas datas!

APM tem novos representantes no Comus

Os colegas Roland Freire e Bruno Simi são os novos representantes da APM São José dos Campos no Conselho Municipal de Saúde (Comus). O órgão é a instância deliberativa em relação à aplicação de verbas para a saúde no município. A Associação Paulista de Medicina participa do COMUS no segmento de prestadores.

Roland Freire é médico anestesista e está terminando MBA em Gestão de Saúde pela FGV-Conexão. Bruno Simi é médico clínico geral e emergencista e tem trabalhado em diversos postos de atendimento em São José dos Campos.

A APM agradece aos colegas David Alves de Souza Lima e Roberto Schoueri Jr, que representaram a classe médica nos últimos anos. Sua participação foi muito importante para a consolidação da medicina pública em São José dos Campos.

O sistema público de saúde

É notório o subfinanciamento da saúde pública brasileira (hoje, cerca de R$ 2 por habitante/dia). O Brasil investe menos em saúde (porcentual do PIB) do que a média dos países africanos e do que outros países da América do Sul. É amadora a gestão em vários locais nas esferas federal, estadual e municipal. São vergonhosos os desvios que ainda teimam em ocorrer.

Leia mais no Estadão

Dilma vai acabar com o SUS?

É inaceitável a intenção do governo de abdicar da consolidação da rede pública e apostar no avanço de planos de saúde ineficientes

O desmonte final do Sistema Único de Saúde (SUS) vem sendo negociado a portas fechadas, em encontros da presidente Dilma Rousseff com donos de planos de saúde, entre eles financiadores da campanha presidencial de 2010 e sócios do capital estrangeiro, que acaba de atracar faminto nesse mercado nacional.

Leia mais na Folha de São Paulo

Plano terá que justificar negativa de procedimento médico

Informação por escrito terá que ser encaminhada em até 48 horas.
Documento vai ajudar cliente a pedir ressarcimentos.

Os clientes de planos de saúde vão poder exigir das operadoras que informem, por escrito, os motivos que levam essas empresas a negar autorização para procedimentos médicos. A medida, que entra em vigor em maio, foi divulgada nesta terça-feira (5) pela Agência Nacional de Saúde Complementar (ANS) e pelo Ministério da Saúde.

Leia a notícia no G1

Planos de saúde lideram reclamações no Idec pelo 11º ano seguido

As principais queixas dos consumidores ao Idec são negativa de cobertura, reajuste por faixa etária e anual, e descredenciamento de prestadores de serviço

Economia & Negócios
SÃO PAULO – O setor de planos de saúde foi o responsável por gerar mais queixas em 2012, segundo o ranking anual do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec). O órgão também destaca o setor financeiro, produtos e telecomunicações entre os que mais geram problemas aos consumidores.

Segundo o Idec, há mais de uma década os planos de assistência médica lideram o relatório de atendimentos do Idec. O principal motivo seria o crescimento dos planos coletivos ou falsos coletivos (oferecidos a pequenos grupos de consumidores), já que há ausência de regulação da ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) para esses tipos de contratos.

As principais queixas dos consumidores ao Idec são: negativa de cobertura; reajuste por faixa etária e anual; e descredenciamento de prestadores de serviço.
Leia a notícia completa no Estadão